Flaviany Gondim estava emigrada desde 2015 em Portugal, e a sua cadela Estrela tinha também viajado no porão de um avião da TAP, numa viagem entre o Brasil e Lisboa.

No início do novo ano, Flaviany quis voltar para o país de origem levando Estrela com ela.
O voo foi marcado para o dia 04 de Janeiro, «com todos os procedimentos», desde as vacinas à caixa transportadora, para uma viagem de avião segura.

A brasileira explicou ao JN que a caixa de Estrela terá sido danificada no dia de partida por um funcionário da companhia aérea, adiando o voo para o dia seguinte, 05 de Janeiro. «Eu tive de comprar com o meu dinheiro outra caixa transportadora», explicou.

Читайте также:  O Pai Natal da easyJet tem 50.000 lugares à sua espera

Ao chegar a Fortaleza, Flaviany Gondim foi chamada por um supervisor da TAP que lhe disse que a cadela de dez anos não se estava a mexer. O desfecho foi o pior: Estrela tinha morrido durante a viagem de sete horas.

Até agora, a brasileira refere não ter sido dada qualquer explicação para o sucedido. Acrescenta ainda que a cadela não terá sido tida em conta no plano de voo reagendado para o dia 5 de janeiro.

Em resposta ao JN, a companhia aérea portuguesa afirma que foram «seguidos todos os procedimentos necessários e habituais no transporte deste animal, tendo viajado num compartimento de porão devidamente climatizado».

Já não é a primeira vez que uma situação semelhante acontece. Em Junho do ano passado, um cão de raça buldogue morreu a bordo de um avião da TAP. O dono, à semelhança de Flaviany, denunciou o caso nas redes sociais. (fonte JN)