A AirHelp, organização líder mundial na defesa dos passageiros aéreos, reuniu alguns dos casos mais insólitos que originaram perturbações em voos e que deram aos passageiros afectados direito a compensações financeiras.

Em 2018 foram em média, cerca de 170 voos por dia, partindo de Portugal que foram alvo de perturbações em 2018.

“Estes imprevistos acontecem em todo o mundo, sendo causados pelas mais diversas razões, algumas bastante insólitas e que podiam ser evitadas pelas companhias aéreas.”

A AirHelp, organização líder mundial na defesa dos passageiros aéreos, reuniu alguns dos casos mais estranhos  e por vezes absurdos que deram direito “a compensação financeira, de acordo com a legislação dos direitos dos passageiros da UE.”

Um voo da British Airways de Londres para os Barbados não descolou a horas devido à falta de papel higiénico e headphones a bordo.
O avião descolou com cinco horas de atraso, o tempo necessário para reunir todo o equipamento em falta. Os 280 passageiros tiveram direito a compensações de 600 euros por pessoa.

Читайте также:  Emirates recruta tripulantes de cabine em Lisboa e Porto

A Jet2, uma companhia aérea low cost britânica também sofreu com problemas devido a falta de material a bordo.
Apesar de o voo de Glasgow com destino a Tenerife ter descolado dentro do horário previsto, teve de regressar e efectuar uma aterragem de emergência em Manchester.
O contratempo foi motivado por falta de água para a preparação de café e chá. Este facto obrigou os passageiros afectados a embarcar noutro voo em Manchester.

“Se voar, não beba” deveria tornar-se num lema para passageiros  e sobretudo tripulantes.

De notar o caso de um voo de Amesterdão com destino a Nova Iorque que não saiu da pista, apesar de ter todo o material necessário.
“O problema foi causado pelo copiloto, que apresentou um elevado nível de álcool, excedendo o limite de 0,2 em três vezes. O piloto teve de pagar uma multa de 3400 euros e o voo foi cancelado.”

Читайте также:  Moody’s confirma a debilidade financeira da Norwegian, Thomas Cook e Virgin Atlantic

Na Finlândia, o nível excessivo de alcoolemia foi também o responsável por problemas num voo, desta vez originados por dois passageiros.
A tripulação teve de expulsá-los do avião e reparar a janela partida, destruída no “calor do momento”. “Como a companhia aérea poderia ter evitado o sucedido com antecedência, a AirHelp exigiu em tribunal que os passageiros afectados tivessem direito a uma compensação financeira e ganhou o caso.”

Problemas no voo: estes são os direitos dos passageiros

Cancelamentos e atrasos em voos podem dar direito a uma compensação de até 600 euros por passageiro.

O valor da compensação é calculado de acordo com a distância da rota.

O direito a compensação depende da extensão do atraso no local de chegada e da razão que originou o cancelamento ou atraso.

Читайте также:  Hi Fly com novo website com mais detalhe e inovação para o cliente

Os passageiros afectados podem submeter o seu pedido de compensação até três anos depois da data do voo.

Circunstâncias extraordinárias como tempestades ou emergências médicas podem isentar as companhias da obrigação de compensar os passageiros.